16/09/2019

Setembro Amarelo no PHS Samaritano Saúde

Psiquiatra do Hospital Samaritano Paulínia aborda medidas de prevenção ao suicídio

Informe publicitário

“O suicídio é um grave problema de saúde pública”. A afirmação é do Dr. Marcelo Pinheiro Machado Adelino, psiquiatra do Hospital Samaritano Paulínia (credenciado do PHS Samaritano Saúde). Para ele, a detecção precoce dos fatores de risco que levam a pessoa a cometer o suicídio pode diminuir os números de mortes. “Em todo o mundo, os dados chegam a 800.000 pessoas por ano que cometem suicídio e, apesar da gravidade, é sim possível a prevenção na grande maioria dos casos”, relata o profissional.

Alguns comportamentos merecem ser observados, segundo o psiquiatra. “Sempre devemos ficar alertas para os sinais que a pessoa com risco de suicídio pode fornecer como falas do tipo: “Os outros vão ser mais felizes sem mim”; “Eu preferia estar morto”; “Eu não posso fazer nada”; “Eu não aguento mais”; “Eu sou um perdedor e um peso para os outros”. Além disso, comportamentos como o isolamento voluntário e o afastamento de atividades que o indivíduo costumava e gostava de realizar podem indicar a necessidade de ajuda”.

Dr. Marcelo Pinheiro Machado Adelino

O especialista  que lida com a prevenção, atendimento, diagnóstico, tratamento e reabilitação das diferentes formas de sofrimentos mentais, expressa  que a depressão, o transtorno bipolar, uso de álcool e drogas e a esquizofrenia, estão entre os fatores de risco para o suicídio.

De acordo com o CVV (Centro de Valorização da Vida), organização não governamental que atua no apoio emocional e na prevenção do suicídio por meio do telefone 188, nove em cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas. O dado, da OMS (Organização Mundial da Saúde), indica que a prevenção é fundamental para reverter essa situação, garantindo ajuda e atenção adequadas. Hoje, 32 brasileiros se suicidam diariamente. No mundo, ocorre uma morte a cada 40 segundos.

“O CVV tem fundamental importância ao combate e prevenção ao suicídio, já que muitas pessoas, por variáveis causas, não conseguem naquele momento de dor e sofrimento, um apoio. O trabalho do CVV fornece essa palavra de conforto que pode salvar uma vida”, destaca Dr. Marcelo.

AJUDA

Para o CVV, a primeira medida preventiva é a educação. A ONG enfatiza que esclarecer, conscientizar, estimular o diálogo e abrir espaço para campanhas contribuem para tirar o assunto da invisibilidade e, assim, mudar essa realidade.

“Infelizmente, o suicídio ainda é um tema com bastante tabu envolvido principalmente, pela restrição das pessoas em tocar no assunto pelo medo de que isso possa interferir ou aumentar o planejamento suicida. E sabe-se muito bem que o efeito é totalmente oposto, quanto mais conversarmos com os jovens sobre o suicídio, maior será a conscientização tanto em pedir ajuda quanto em ajudar outras pessoas”, destacou o psiquiatra do Hospital Samaritano Paulínia.

Em caso de risco de suicídio ou tentativa de suicídio o profissional de saúde mental como o médico psiquiatra e o psicólogo devem ser procurados o mais rápido possível. É indicado também buscar ajuda em serviços de saúde como o CAPS (Centro de Atenção Psicossocial), Unidades Básicas de Saúde, Unidades de Pronto Atendimento, Pronto-Socorro e Ambulatórios de Saúde mental.

INCIDÊNCIA

Em relação a incidência em determinadas faixas etárias, Dr. Marcelo disse que “há um índice maior de suicídio em homens com idade entre 15 e 30 anos e maiores de 65 anos. Sendo que a maioria deles não têm suporte social, estão desempregados e moram sozinhos. A desesperança também é um fator de risco assim como uma perda de um ente querido ou um histórico familiar com suicídio”.

Nos adolescentes e pré-adolescentes também há um aumento significativo em casos de pessoas que findam suas próprias vidas. “Nessa faixa etária algumas características podem ser consideradas como fatores de risco como o aumento de casos de depressão, uso de drogas e álcool e inclusive funções cerebrais que ainda são imaturas nessa idade, como controle de impulsos, maior dificuldade de avaliação entre riscos e consequências, dificuldade da capacidade de adiar recompensa, entre outros”, finalizou o médico psiquiatra.

CAMPANHA

O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. No Brasil, foi criado em 2015 pelo CVV, CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) para associar à cor ao mês que marca o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio (10 de setembro).

SOBRE O PHS SAMARITANO SAÚDE

O Hospital Samaritano Paulínia (única unidade hospitalar particular da cidade) – credenciado PHS Samaritano Saúde -, possui diversos ambulatórios, sendo as especialidades atendidas: Acupuntura, Alergologia, Angiologia/Vascular, Cardiologia, Cirurgião Geral, Cirurgião Plástico, Clínico Geral, Dermatologia, Endocrinologia, Fonoaudiologia, Gastroenterologia, Ginecologia / Obstetrícia, Neurocirurgia, Neurologia, Oftalmologia, Ortopedia, Otorrinolaringologia, Pediatria, Pneumologia Adulto e Infantil, Proctologia, Psiquiatra, Reumatologia e Urologia.

O atendimento do Hospital Samaritano Paulínia acontece de segunda a sexta-feira, das 8h as 17h. É necessário agendar as consultas! Você pode fazer isso através do telefone (19) 3888-7000. O hospital está localizado na Rua Portugal, nº 400 – Vila Bressani.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS


Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.