25/02/2020

Relacionamento abusivo ou tóxico: existe diferença?

A psicóloga Sabrina Tanajura ressalta características dos relacionamentos abusivos

Informe publicitário

Na atualidade tem sido cada vez mais comum ouvirmos as pessoas classificando suas relações como abusivas ou tóxicas. Mas, será que todos os relacionamentos que apresentam dificuldades se encaixam dentro dessas classificações? E estariam elas se referindo ao mesmo tipo de relação de sofrimento ou há algo que possa diferi-las?

O tema é bastante complexo uma vez que busca compreender a relação entre as pessoas, mas é possível estabelecer alguns parâmetros que auxiliam a diferenciar o que é abusivo do que é tóxico. Um relacionamento pode ser considerado abusivo quando há violência física, psicológica ou financeira, ou seja, tem-se estabelecida uma relação de poder, o famoso “manda quem pode e obedece quem tem juízo” se aplica bem como jargão a este tipo de relação.

No relacionamento abusivo existe a intenção de agredir, de fazer o outro sofrer com o objetivo de exercer controle sobre o outro. E para isso, o agressor pode fazer uso de ataques psicológicos, controle financeiro e até mesmo da agressão física. Esse tipo de relacionamento mostra-se mais comum nas relações afetivas, ou seja, entre casais, o que não exclui a possibilidade de ocorrer num outro contexto.

Já no relacionamento tóxico observa-se que as agressões limitam-se ao campo psicológico e podem ocorrer nos mais variados contextos, como por exemplo, entre familiares, pais e filhos, amigos, ambiente de trabalho, entre outros. Nesse tipo de relacionamento o agressor não tem a intenção de controlar o outro. Pode-se dizer que, em muitos casos, ele precisa que o outro se sinta mal para que ele se sinta bem ou pelo menos não se sinta tão mal. Desta forma, uma das principais estratégias usadas é colocar o outro para baixo. Se pudéssemos fazer uma caricatura da relação tóxica, seria como se víssemos um vampiro sugando a energia de alguém para se sentir vivo.

A pessoa tóxica, em geral, não percebe que é desagradável e tampouco tem clareza sobre o mal que causa. Também é possível verificar que ela se sente culpada e arrependida quando é informada de seu indelicado comportamento. Entretanto, é um modo de ser difícil de conviver, pois contamina o outro com suas aflições e mal estar, colocando-o sempre para baixo.

Além disso, também se faz importante destacar que nos mais variados contextos de relacionamento existirão divergências o que não irá, necessariamente, configurar uma relação abusiva ou tóxica. Sendo assim, as principais diferenças que precisam ser observadas são a freqüência e a intensidade. Se as agressões são freqüentes e há um crescente na intensidade delas é muito provável que haja algo muito errado e até muito grave acontecendo. As relações humanas desde sempre são complexas o que não tem absolutamente nada a ver com sofrimento. Não é porque algo é complexo ou trabalhoso que ele precisa gerar dor ou sofrimento.

Sabrina F. Tanajura 

Psicóloga graduada em 2002 pela Pontifícia Universidade de Campinas (PUCC) com experiência em Psicoterapia e Gestão de Pessoas. Possui Especialização em Terapia Cognitivo Comportamental pelo Instituto de Psicologia e Controle do Stress (IPCS) e MBA em Gestão de Pessoas pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP). Também é estudante de Nutrição pela Universidade Paulista (UNIP)

Psicoterapeuta e Psicotraumatologista com especialização no Treino de Controle do Stress e Tratamento de Stress Pós Traumático. Terapeuta Cognitivo Comportamental com atuação clínica para casos de Depressão, Ansiedade, Insônia, Enxaqueca, TOC, Transtorno do Pânico, Transtorno Bipolar, Stress, TPM, Raiva, Transtornos de Personalidade, Compulsão Alimentar, Bulimia, Anorexia, Fobias entre outros. Realização de avaliação psicológica para cirurgia bariátrica.

Business Partner com atuação nos seguintes subsistemas de RH: Coach, Consultoria Interna, Recrutamento e Seleção, Treinamento e Desenvolvimento, Remuneração, Comunicação entre outras voltadas ao desenvolvimento e implementação de estratégias para Gestão de Pessoas.

 

 

Sabrina F. Tanajura é psicóloga clínica especialista em terapia cognitivo comportamental. O endereço de atendimento é R. São Sebastião, 405 – Centro, Artur Nogueira/SP, Clínica Essence. Para entrar em contato o telefone é (19) 3827-1227  e o celular é (19) 98184-6878. 


Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.