27/02/2019

Psicóloga Sabrina Tanajura fala sobre estresse pós traumático

O Transtorno de Estresse Pós-Traumático caracteriza-se pela exposição a situações que representam ameaça à vida da pessoa ou à vida de terceiros

Informe publicitário

Brumadinho, Ricardo Boechat, Elaine Caparróz, conflitos na Venezuela e tantas outras notícias de grande, média e pequenas proporções que escancaram, dentre outras coisas, a vulnerabilidade humana. 2019 parece ter “decidido” não chegar de mansinho e entre uma conversa e outra em diferentes lugares é praticamente impossível não ouvir sobre os impactos emocional e psicológico que todas essas tragédias têm provocado, sem falar no estresse pós-traumático das vítimas diretas e indiretas desses eventos.

O Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) caracteriza-se pela exposição a situações que representam ameaça à vida da pessoa ou à vida de terceiros com sinais e sintomas físicos, psicológicos, emocionais e cognitivos (pensamentos) cujas manifestações variam de pessoa para pessoa.

Engana-se quem acredita que o TEPT se manifesta apenas em situações de ameaça extrema como guerras ou catástrofes. Ele pode se apresentar em eventos mais corriqueiros do que se possa imaginar e qualquer pessoa pode, ao longo de sua vida, vivenciar alguma situação traumática. Desta forma, é importante saber que há diagnostico e, principalmente, que existe tratamento.

Quem nunca ouviu que uma pessoa deixou de dirigir após ter sobrevivido a um acidente de carro? Ou deixou de passar por uma determinada rua por ter sido assaltado nela? Esses podem ser exemplos de TEPT que não foram diagnosticados e nem receberam tratamento. Também são exemplos que parecem ter pouca relevância para quem olha de fora, mas para as pessoas que precisam passar a vida se adaptando devido à ansiedade extrema e o desconforto de entrar num carro ou passar por uma determinada rua, o desgaste é enorme.

Além disso, há o constrangimento de ter de ficar explicando os motivos pelos quais não pode suportar tais situações e o sentimento de inadequação em função da não compreensão dos outros.

De acordo com o DSM-5, as situações potencialmente traumáticas referem-se a ameaças ou ocorrências reais tais como:

AGRESSÃO FÍSICA: ataque físico, assalto, furto, abuso físico infantil;

VIOLÊNCIA SEXUAL: penetração sexual forçada, penetração sexual facilitada por álcool/droga, contato sexual abusivo, abuso sexual sem contato, tráfico sexual;

VIOLÊNCIA/AMEAÇAS URBANAS: sequestro, ser mantido refém, ataque terrorista, tortura, encarceramento como prisioneiro de guerra e acidentes automobilísticos graves (colisão, atropelamento);

DESASTRES NATURAIS OU PERPETRADOS PELO HOMEM (enchentes, incêndios, queda de barragens).

CRIANÇAS: eventos sexualmente violentos podem incluir experiências sexuais inapropriadas em termos do estágio de desenvolvimento sem violência física ou lesão.

SAÚDE/ DOENÇA : Incidentes médicos que se qualificam como eventos traumáticos incluem eventos súbitos e catastróficos (p. ex., despertar durante uma cirurgia, choque anafilático).

VÍTIMAS INDIRETAS (que assistem à ameaça de vida de terceiros próximos, parentes e amigos): ameaça de lesão ou lesão real grave, morte natural, abuso físico ou sexual de outra pessoa em virtude de agressão violenta, violência doméstica, acidente, guerra ou desastre ou catástrofe médica envolvendo um filho (p. ex., uma hemorragia potencialmente fatal). A exposição indireta por ter conhecimento do evento está limitada a experiências que afetam parentes ou amigos próximos e experiências violentas ou acidentais. Esses eventos incluem ataque pessoal violento, suicídio, acidente grave e lesão grave.

Uma pessoa que passa pelas situações descritas acima pode passar dias revivendo o evento em função das memórias que ficam constantemente aparecendo de modo involuntário. Essas lembranças fazem com que a pessoa experimente as sensações e as emoções vividas novamente várias vezes, além disso seu organismo permanece reagindo como se a situação estivesse acontecendo de novo, de novo e de novo. O sofrimento é enorme, pois a pessoa sente que está presa em um pesadelo sem fim.

Sem o tratamento adequado, é como se todas essas sensações e respostas do organismo imprimissem uma marca, uma cicatriz que muitas vezes pode atrapalhar a vida da pessoa para sempre, pois ela não encontra caminhos alternativos para transpor a dor.

Atualmente a área da Psicologia e a abordagem Cognitivo Comportamental possuem, além de conhecimento para compreensão, técnicas comprovadas para o tratamento de tais situações e baseada nessas informações é importante saber que, quando um evento dos descritos acima acontece, é fundamental que a pessoa procure ajuda de um profissional de saúde mental o mais rápido possível de modo que a gestão das reações possa ser aplicada e o impacto do stress minimizado.


Sabrina F. Tanajura

Psicóloga graduada em 2002 pela Pontifícia Universidade de Campinas (PUCC) com experiência em Psicoterapia e Gestão de Pessoas. Possui Especialização em Terapia Cognitivo Comportamental pelo Instituto de Psicologia e Controle do Stress (IPCS) e MBA em Gestão de Pessoas pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP).

Psicoterapeuta e Psicotraumatologista com especialização no Treino de Controle do Stress e Tratamento de Stress Pós Traumático. Terapeuta Cognitivo Comportamental com atuação clínica para casos de Depressão, Ansiedade, Insônia, Enxaqueca, TOC, Transtorno do Pânico, Transtorno Bipolar, Stress, TPM, Raiva, Transtornos de Personalidade, Compulsão Alimentar, Bulimia, Anorexia, Fobias entre outros. Realização de avaliação psicológica para cirurgia bariátrica.

Business Partner com atuação nos seguintes subsistemas de RH: Coach, Consultoria Interna, Recrutamento e Seleção, Treinamento e Desenvolvimento, Remuneração, Comunicação entre outras voltadas ao desenvolvimento e implementação de estratégias para Gestão de Pessoas.

Sabrina F. Tanajura é psicóloga clínica especialista em terapia cognitivo comportamental. O endereço de atendimento é R. São Sebastião, 405 – Centro, Artur Nogueira/SP, Clínica Essence. Para entrar em contato o telefone é (19) 3827-1227  e o celular é (19) 98184-6878.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS


Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.