12/09/2018

Professor Adalberto critica votação e diz que um agressor foi defendido

Decisão da Câmara de não acatar a abertura de investigação contra Ermes Dagrela (PR) em virtude de ter agredido Rodrigo de Faveri (PTB) criou alguns questionamentos ao parlamentar

Da redação

Diante dos últimos ocorridos no Poder Legislativo, o vereador Professor Adalberto decidiu externar nova crítica à votação que aconteceu na noite desta segunda-feira (10) em Artur Nogueira. A decisão da Câmara de não acatar a abertura de investigação contra Ermes Dagrela (PR) em virtude de ter agredido Rodrigo de Faveri (PTB) criou alguns questionamentos no parlamentar.

Assim, o edil enviou à imprensa um artigo opinativo referente ao caso.

Leia artigo na íntegra:

“Sempre desenvolverei meu trabalho dando primazia à verdade”

Nunca fugirei de minhas responsabilidades, minhas ações são transparentes e não tenho nada a esconder. Fui eleito pelo povo para representá-lo e é este meu objetivo. Ao desenvolver minhas funções no legislativo, exerço o direito ao voto com coerência e equilíbrio na busca sempre da dignidade e da honra. Sendo assim, por vários dias analisei os fatos ocorridos no dia 16/08/2018, envolvendo os dois vereadores da Câmara Municipal de Artur Nogueira, bem como fatos em que participaram antes e depois da data citada.

A denúncia protocolada pelo vereador Luiz Rodrigo De Fáveri, na Câmara Municipal, contra o vereador Ermes Rodrigues Dagrela, está fundamentada no Decreto de Lei 201 de 22 de fevereiro de 1967, em seu artigo 7º e tratando-se de Decreto Federal, se sobrepõe ao Regimento Interno.  Considerando que houve por parte do denunciado “quebra de decoro”, “atentado contra a dignidade da Câmara Municipal” e “atentado contra a dignidade física e moral do vereador denunciante”, na sessão de 10/09/18, o objetivo do meu voto não foi mudar a bancada da casa, mas sim ser favorável à abertura de investigação contra o acusado em virtude de ter agredido de forma clara e exorbitante, violenta e cruel o denunciante, contando ainda com o auxílio de seu filho Ermes Rodrigues Dagrela Junior.

Não posso jamais afirmar que a decisão final foi influenciada por ações externas à Casa legislativa, no entanto, mesmo não querendo acreditar nesta possibilidade, elas podem ter ocorrido. Diante dos fatos conhecidos por toda Artur Nogueira e região (a mídia ultrapassou fronteiras do Estado de São Paulo) acatar a denúncia e instalar Comissão Processante era o mínimo que deveria ter ocorrido, considerando a honradez da formação do Legislativo Municipal.

Presenciamos momentos vergonhosos e repugnantes provocados por representantes do povo que defenderam o autor dos atos de covardia que atentou contra a honra de um homem, representante eleito legitimamente pelo povo; além de atentar também contra a honra da Câmara Municipal.

Veja bem, defenderam um agressor e agora querem justificar o voto dizendo que havia armação para mudar bancada? Estavam mais preocupados em ‘manter uma bancada’ a manifestar repúdio à violência? E agora, o que falamos a esta geração de crianças, adolescentes e jovens que buscam se espelhar em nossas ações? Dizemos a eles que agredir pessoas é normal, que é aceitável, que não existe problema neste fato? Como educador estou indignado, como cidadão, decepcionado e como vereador sinto-me envergonhado, pois muitos generalizam o caráter de uma classe por comportamentos de alguns indivíduos”.

……………………………………..

Tem uma sugestão de reportagem? Clique aqui e envie para o Portal Nogueirense.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.