17/06/2018

Nem céu, nem inferno

Após empate com a Suíça, Tite precisa reativar a engrenagem que construiu na Seleção Brasileira

Michael Harteman

O empate faz parte. A apatia, não. Se Copa do Mundo fosse moleza, não seria tão fascinante. Quero dizer com isso que não há motivos para se preocupar com o desempenho no primeiro jogo, tão pouco. No entanto, não acredito que haja motivo para desespero. O resultado todo mundo já sabe, mas e o desempenho?

Nada de anormal com os primeiros minutos de jogo. A Suíça era um time mais leve, sem pressão e nenhuma obrigação de encantar. No entanto, com dez minutos de partida a Seleção Brasileira se impôs no jogo. Começou a criar, empurrar o time de vermelho contra o seu próprio gol. Mesmo não tendo criado as tais chances claras, o cheiro do gol estava no ar.

O gol foi a marca registrada de Coutinho. Um chute com a assinatura dele. O tento marcado deveria  aliviar o peso da estreia, deslanchar. Não aconteceu. A partir daí o time perdeu o pique, pareceu ter mais medo de tomar o empate do que vontade de fazer o segundo. As individualidades não apareceram.

Mas tudo bem, nada como 15 minutos de intervalo para colocar fogo no time novamente, correto? Não foi o que aconteceu. Ofensivamente o time parecia não ter voltado para campo. Gabriel Jesus, Neymar e Coutinho pareciam não se conhecer. Não houve triangulações, nem chegadas do Paulinho, nada. Suíça começou a gostar do jogo, gostou tanto que empatou a partida. Com falta, mas empatou. Steven Zuber empurrou Miranda antes de subir para o cabeceio.

Pós empate o Brasil se bagunçou. Se defensivamente ainda estava bem postada, ofensivamente batia cabeça. Não criava. Os dribles não vieram, as tabelas não aconteceram. Cabia ao Tite fazer algo para alterar o desenho tático do time. Não fez, trocou os atletas sem mudar desenho. Mesmo com a melhora nos minutos finais com boa participação de Firmino, o gol da vitória não veio.

Esse empate tem que servir como lição. A lição de que jogo de Copa do Mundo não é jogo de eliminatória, muito menos, amistoso. O Brasil já ganhou copas não vencendo na estreia, já perdeu ganhando o primeiro jogo. É preciso não se precipitar nas conclusões. Corrigir as falhas rapidamente. Difícil é esperar de um time o que ele não pode oferecer. Esse time pode, aliás, já ofereceu muito mais do que vimos hoje.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.