22/05/2019

Moradores estão abandonando animais de raça em Artur Nogueira

Além da grande quantidade de vira-latas (sem raça específica) abandonados, representante da RPAA faz alerta sobre situação no município

Da redação

O representante da Rede de Proteção Animal e Ambiental (RPAA) de Artur Nogueira, Carlos Caressato, fez um alerta importante durante o recebimento de uma moção de aplausos na Câmara de Vereadores. Segundo ele, o número de animais abandonados está crescendo drasticamente na cidade e tem afetado, inclusive, cachorros de raça. Devido ao problema de saúde pública, o munícipe fez o apelo para que o Poder Executivo e Legislativo tomem medidas que freiem o avanço desses casos.

Carlos Caressato, que está à frente da causa animal e da ONG RPAA há 10 anos, frisou o aumento do abandono de animais no município nogueirense. De acordo com o voluntário, a situação vem aumentando por fatores relacionados à falta de conscientização e, também, pela crise financeira enfrentada pela recessão e desemprego do país, além da falta da promulgação da Lei 3.247, contra maus tratos e abandono de animais.

De acordo a análise de Caressato, hoje em dia muitas pessoas não costumam mais permanecer por um longo período no mesmo emprego, ocasionando assim a mudança de imóveis e de cidades com mais frequência. Muitas vezes, ao alugar uma nova residência para moradia, esses inquilinos são impedidos de criarem animais de estimação, como cachorros e gatos em casas ou condomínios, fazendo crescer o número de animais abandonados nas ruas.

“Essa é uma realidade não só de Artur Nogueira, mas no país e, também, no mundo. Para se ter uma ideia, as crises financeiras e novo estilo de vida, em que as pessoas estão sempre se mudando, estão causando o crescimento de abandonos de animais. Atualmente, na Austrália, terão que sacrificar cerca de 2 milhões de gatos que estão pelas ruas. Esses animais estão gerando um desequilíbrio ambiental, como, por exemplo, causando a extinção de espécies de pássaros. No Chile também estão sacrificando cachorros de rua e alta escala. Ainda em outros países está havendo a proibição de venda e adoção de animais de estimação”, relata.

Assim como em outras cidades do país e do mundo, em Artur Nogueira a realidade não é diferente, a quantidade de animais abandonados tem crescido exponencialmente. Entre os locais com maior incidência de abandonado é a estrada do antigo Lixão Municipal, no bairro São João dos Pinheiros, na estrada da Rádio e estrada São Bento.

Mas, um dado alarmante que tem chamado a atenção da RPAA é que, além de cachorros sem raça específica (vira-latas), a ONG da mesma forma tem identificado a presença de cachorros de raça passando pela situação. Isso mostra que não só pessoas com poder aquisitivo menor estão abandonando, mas também, pessoas que compram animais de estimação também vêm sendo negligentes.

Lhasa encontrado com grave infecção e em situação de abandono em Artur Nogueira

Chow-chow também encontrado em situação de rua em Artur Nogueira

Todos os domingos, na Feira Livre de Artur Nogueira, Caressato e os demais colaboradores da ONG RPAA realizam a doação de cachorros e gatos mediante o cadastro. O controle das doações é sempre acompanhado e, caso algum animal encontrado sozinho nas ruas da cidade seja identificado como um daqueles doados pela ONG, a pessoa que o adquiriu é solicitada a prestar esclarecimentos por decorrência do abandono.

“Muita gente adota e depois se arrepende. O animal chora, late, faz sujeira e exige cuidados especiais com os pelos, por exemplo, os animais de raça como poodle, o lhasa, o chow-chow, e muitas pessoas não estão preparadas para esse tipo de trabalho e os colocam nas ruas”, lamenta Caressato.

Doações de animais feitas pela RPAA na Feira Livre de Artur Nogueira

A cada 10 animais doados pela RPAA, a ONG especifica que pelo menos dois deles retornam para as ruas. Para frear esse triste dado, que tende a crescer a cada mês, Carlos Caressato pontua que somente a aplicação da Lei Municipal 3.247, criada em Artur Nogueira para a prevenção de maus tratos e abandono de animais, e ainda não sancionada, além da castração, poderá ajudar a reverter essa estatística.

Essa Lei Municipal obrigaria os animais de adoção a serem chipados, uma ferramenta que ajudaria no controle e na identificação das pessoas que realizam o abandono, e que poderiam ser advertidas e multadas. “Não tem outro jeito, o caminho é a castração e a efetivação dessa lei. Fazemos 50 castrações por mês, mas precisamos triplicar esse número se quisermos gerar uma mudança significativa. Temos a colaboração da Prefeitura para isso e nós, da ONG, pagamos o restante do valor em muitos casos em que, quem faz a doação, não pode pagar”, explica.

Outra estratégia para barrar o abandono seria um pedido de regulamentação da criação de cachorros e de outros animais para cruzamento em escala, que também já foi indicado pelo Legislativo ao Executivo, porém, ainda não tem previsão de ser efetivado na cidade. Essa regulamentação evitaria que animais sejam abandonados nas ruas após não terem mais condições de gerarem filhotes.

Conforme a indicação, os filhotes a serem vendidos também teriam que ser castrados. Enquanto leis não são sancionadas pelo Poder Público e a falta de conscientização por parte de quem abandona e maltrata continua a acontecer, a ONG RPAA busca forças e trabalha diariamente para contribuir com a causa animal no município nogueirense.

Caressato e demais colaboradores da Ong RPAA de Artur Nogueira

Interessados em adquirir um animal proveniente de doação em Artur Nogueira, ou efetuar doações de ração, medicamentos, entre outros produtos para contribuir com a causa animal na cidade, devem procurar por colaboradores da RPAA durante a realização da Feira Livre de Artur Nogueira aos domingos, na Rua Duque de Caxias, no Jardim Wada.

……………………………………..

Tem uma sugestão de reportagem? Clique aqui e envie para o Portal Nogueirense.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.