08/06/2019

Ipês são removidos para execução de obras de acessibilidade em Artur Nogueira

Reclamante havia plantado árvores há nove anos

Da redação

Um morador e comerciante de Artur Nogueira reclama da remoção de árvores no Parque Itamaraty por parte do setor de Planejamento da Prefeitura da cidade. Conforme o reclamante, as árvores haviam sido plantadas há nove anos por ele no local e foram arrancadas sem que um aviso das obras fosse exposto por parte do Poder Executivo.

Já o departamento de Planejamento informou que a ação foi necessária para que o serviço do plano asfáltico e de acessibilidade tivesse andamento no endereço.

Ao todo oito árvores da espécie Ipê amarelo (handroanthus albus) estavam plantadas em um canteiro situado na Rua Francisco Antônio Staiguer, no distrito industrial do Parque Itamaraty, nas imediações do Ginásio de Esportes do bairro. Nesta quarta-feira (5), data em que é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente, as referidas árvores começaram a ser arrancadas do espaço.

Há cerca de nove anos, as oito mudas de árvores de Ipê foram plantadas no endereço pelo comerciante Elton Artur e o filho dele, Vinícius. Na época, a rua ainda não possuía asfalto, nem mesmo sarjetas que demarcassem o canteiro. Como já haviam outras espécies plantadas naquele local, Elton seguiu o percurso delas para o plantio. As mudas foram regadas diariamente e preservadas até chagarem a cerca de oito metros de altura.

“Eu e meu filho plantamos essas árvores. Não época ainda não havia asfalto aqui e elas (árvores) ajudaram a conter a erosão do barranco. No mandato passado foi feito o asfalto aqui na rua e houve a demarcação das sarjetas, mas mantiveram as árvores, agora que elas cresceram, chegam aqui e as arrancam”, reclama.

Além das árvores de Ipê, outras espécies também estão plantadas no endereço, mas com a reforma do Ginásio de Esportes e a implantação do asfalto, estava incluído no plano de acessibilidade da Prefeitura a instalação de calçadas no entorno do quarteirão do prédio citado, com acesso a rampas para cadeirantes. Mas para que esse serviço seja concluído, o setor de Planejamento da Prefeitura começou a remover as árvores.

O comerciante Elton se mostrou indignado com a ação do setor da Prefeitura, responsável pela obra.

“Eu questionei o pessoal que estava aqui trabalhando com a máquina, para me explicarem porque serão instaladas calçadas com acesso para cadeirantes em um local que não costuma passar cadeirantes. Não colocaram nem mesmo uma placa aqui anunciando a obra ou o projeto da obra. Eu vi essas árvores crescerem, nelas têm ninhos de pássaros, como Canários do Reino e da Terra. É um absurdo isso, as árvores não estavam atrapalhando em nada, poderiam ter feito um aterro ou desviou se necessário, mas não arrancá-las”, lamenta.

Quanto à reclamação sobre a remoção das árvores, a Prefeitura através do setor de Planejamento informou que “foi necessária a remoção das árvores devido a necessidade de realizar as obras das calçadas de acessibilidade que fazem parte do projeto de asfaltamento no bairro, executando o projetado planejado em gestões anteriores”.

No local, segundo o Poder Executivo, “existe um grande desnível do terreno da calçada, onde foram plantadas as árvores em área pública, sem prévia autorização da Prefeitura ou consulta à mesma”. E acrescentou que “o proprietário da empresa situada em frente ao local foi consultado e informado sobre o projeto e a necessidade de remoção, já que a obra precisa ser realizada conforme foi estabelecido, não sendo permitidos desvios”.

A prefeitura de Artur Nogueira destacou ainda que no local serão plantadas novas mudas nativas em local adequado. “Vale ressaltar que a execução das calçadas precisa ser aprovada pela fiscalização da Caixa Econômica Federal, responsável pela liberação dos recursos envolvidos e precisa estar de acordo com o projeto que foi aprovado por eles”.

……………………………………..

Tem uma sugestão de reportagem? Clique aqui e envie para o Portal Nogueirense.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.