19/05/2019

Família, trabalho duro e empreendedorismo: conheça a história de sucesso da Alfacitrus

Atualmente a empresa é uma das cinco maiores beneficiadoras de laranjas e tangerinas do Brasil, com infraestrutura distribuída por 1.6 mil hectares

Informe publicitário

Em 1970, o país celebrava a vitória da seleção brasileira na Copa do Mundo. Mas não foi somente a brilhante atuação de Pelé que marcaria o início de uma nova era no Brasil. Naquele mesmo ano se construía um legado, que mais tarde revolucionaria a produção de citrus no estado de São Paulo. Essa história de sucesso ocorria no município de Engenheiro Coelho, há 50 anos, com a atuação de duas famílias: Fávero e Berton. Desta sociedade surge a empresa FB, com as letras iniciais de ambos sobrenomes. Aleixo Fávero, patriarca de origem italiana, era sócio da FB e trabalhava nos laranjais guaiquicas. Em certa ocasião, venderam laranjas para um comerciante de Sumaré. Na incapacidade de pagar pela fruta, o comprador acabou quitando a dívida entregando uma máquina de beneficiar (técnica que permite preservar o valor nutricional vida útil de frutas) laranjas. Até então, Aleixo plantava e produzia em Engenheiro Coelho com objetivo de vender essas frutas para abastecer mercados da região. Contudo, após a instalação da máquina, iniciou o processo de beneficiamento para o Mercadão de São Paulo e lá se foi o Sr. Aleixo para fazer a venda das laranjas. Naquela época, filhos e primos trabalhavam no campo juntos com os tios e o avô. Toda a família estava envolvida e desenvolvia participação no negócio.

Nos anos seguintes investiram também em meio box na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP), uma das principais empresas estatais brasileiras de abastecimento. Lá, realizavam a comercialização das frutas. Aleixo passava a semana toda na capital do estado morando dentro do próprio box de vendas.

Contudo, em 1976 encerrou-se a sociedade entre os Fávero e Berton. A partir daí começou de fato a história da família  do Sr. Aleixo Fávero, em voo solo, no trabalho com citrus. Aleixo e o filho Pedro passaram a avançar na plantação de laranjas da fazenda de Engenheiro Coelho. Poucos anos depois, o filho José Eduardo e o genro Nelson passaram a contribuir na administração da empresa. Com o passar dos anos, houve tempos bons e ruins, mas o trabalho de Aleixo com os filhos Pedro, José Eduardo e o genro Nelson, aproveitando o boom da laranja nos anos 80, alavancou a empresa da família. Sempre com uma visão ampla, compraram novas terras e expandiram os campos de cultivo para outras regiões. Surge então, a possibilidade de comprar uma fazenda, chamada São Pedro, em Botucatu (SP). Foi através da São Pedro que começaram a construir o polo de produção naquela região.

Graças a experiência de Aleixo e a persistência no trabalho dos filhos e genro, a produção cresceu pela necessidade de novamente fazer a venda da fruta no mercado interno. Neste tempo, Emílio, o filho caçula que se formou em 1986 em análise de sistemas e partiu para trabalhar no mercado por 10 anos, une-se à família para reforçar o time administrativo e de venda. Nasce então a AlfaCitrus, em 1995. Uma curiosidade é que o nome da marca recebeu as iniciais do patriarca.

No início das atividades da Alfacitrus, a empresa não tinha um packinghouse (instalação onde a fruta é recebida e processada antes da distribuição ao mercado) próprio. Naquele momento então terceirizaram essa função e passaram a trabalhar num barracão em Engenheiro Coelho. O escritório da propriedade rural da empresa estava localizado na cidade, mas a matriz ainda ficava na CEAGESP.

Emilio trouxe sua expertise em gestão e informática para empresa, que naquela época tinha um volume considerável de produção, 300 mil caixas. Em 99 compram um ponto comercial na Ceasa de Campinas. Começaram a atender então dois boxes, da CEAGESP e da Ceasa de Campinas, além de clientes no Rio de Janeiro. A partir daí, exploraram outros locais, desenvolvendo clientes em Santa Catarina, Paraná e Minas Gerais.

Um dos principais motivos para o desenvolvimento e crescimento expressivo da Alfacitrus ocorreu há 15 anos, na primeira Exposição Técnica de Horticultura, Cultivo Protegido e Culturas Intensivas (Hortitec). Em um fórum de gestão, entenderam que precisavam melhorar suas estratégias para se perpetuarem. “Nós tínhamos crescido até um determinado ponto, mas se a gente não desse um salto maior, tínhamos a sensação de que poderíamos ser engolidos pelos outros”, pontua Emílio Fávero, sócio-diretor da Alfacitrus.

A administração entendeu que mesmo com a produção de muitas laranjas, possuíam pouco mix (variedade) da fruta. Passaram então a produzir frutas para épocas diferentes. De 300 mil caixas de laranjas, passaram para 500, depois para 700 e agora um milhão e meio, todas vendidas no mercado interno.

Hoje, a Alfacitrus colhe os frutos de um trabalho feito com muita responsabilidade e afinco. A partir deste ano, estão aptos a exportar laranjas frescas, levando a produção para grandes centros internacionais como Canadá, Emirados Árabes e Leste Europeu. Esta medida ocorre graças a conquista da empresa em receber, no fim de 2018, o certificado Global GAP, considerado o mais importante no panorama internacional de comercialização de alimentos.

Engenheiro Coelho, faz parte desta história de sucesso.

“A gente sempre quis que a sede fosse em Engenheiro Coelho porque moramos e somos daqui. Praticamente todos os nossos colaboradores vivem na cidade e muitos nos procuram para trabalhar. Ficamos muito felizes em poder fazer a diferença no município coelhense e na região”, explica.

A instalação da Alfacitrus na cidade foi um marco, um divisor de águas na citricultura do estado de São Paulo. Até então, nenhuma empresa tinha um packinghouse voltado ao mercado interno com este padrão, que possivelmente em breve será levado para o mercando internacional. “Sempre tivemos a ideia de que a gente não tinha que vender só um produto, tínhamos que vender serviço qualificado, com altíssimo padrão de qualidade, e conseguimos” finaliza Emílio.

Atualmente a Alfacitrus é uma das cinco maiores beneficiadoras de laranjas e tangerinas do Brasil, com infraestrutura distribuída por 1.6 mil hectares, incluindo packinghouse e fazendas em Botucatu, Engenheiro Coelho e Mogi Mirim. Com mais de 40 anos de tradição na produção e comercialização de laranjas e tangerinas, a empresa investe em plantações com técnicas que unem tecnologia e trabalho manual. No total, são cerca de 1 milhão de pés entre laranjas e tangerinas, que rendem mais de 60 mil toneladas por ano.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS


Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.