09/09/2019

“Estão matando a vaca de fome, bando de urubu”, afirma Rodrigo de Faveri sobre concessão do Saean

Parlamentar se mostrou indignado com os interesses do Poder Executivo em relação à concessão, afirmando que não há a necessidade para a medida ser efetuada

Da redação

Durante a 20ª sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Artur Nogueira, ocorrida na noite desta segunda-feira (9), o vereador Rodrigo de Faveri (PTB) se pronunciou a respeito da realização da audiência pública que tratou sobre os interesses de concessão do Saean. O parlamentar se mostrou indignado com os interesses do Poder Executivo em relação à concessão, afirmando que não há a necessidade para a medida ser efetuada.

No momento do pronunciamento livre dos vereadores, Faveri lembrou sobre o ano de 2014, em que Artur Nogueira, assim como muitos municípios do Estado de São Paulo, passou por um momento de estiagem por falta de chuvas, o que levou a administração na época protocolar junto à Câmara um projeto de concessão do Saean. Mas o parlamentar afirmou que hoje, a situação da cidade e da autarquia, é diferente. “Em 2014, Artur Nogueira viveu a maior crise hídrica da história da cidade. Muitos vereadores que aqui estão hoje, estavam presentes. Foi apresentado pelo Executivo (na época) um projeto de lei para a concessão do Saean em uma ocasião muito diferente, em que essa Casa foi pressionada, com uma forte hipótese de não ter água mais no município. O Balneário salvou Artur Nogueira até que voltasse a chuva. Quando a gente fala que a Casa aprovou a concessão lá atrás, hoje a gente vive outra situação, choveu bastante, a captação de água está bem e o Saean, apesar de tudo, está superavitário”, pontuou.

Rodrigo também comentou sobre a realização da audiência pública, realizada nesta segunda-feira (9), que tratou sobre a possibilidade da concessão. O vereador usou de tom sarcástico para ilustrar a reunião. “Pior que o hasteamento da Bandeira nesse 7 de setembro, em que a Bandeira não subiu, foi a audiência pública de hoje (segunda-feira – 9). Para quem foi criado no sítio, como eu fui, existe uma situação inusitada quando um animal está morrendo, quando você chega no curral, tem um monte de urubus e, na audiência pública o que não faltou foi urubu para picar a vaca que eles estão exaurindo. Estão matando a vaca de fome, bando de urubu”, frisou.

Prosseguindo com a fala, Rodrigo de Faveri salientou que a concessão do Saean é algo inviável e desnecessário, já que a autarquia passa por um momento positivo, se comparado com anos anteriores. “Privatização, se faz em um momento necessário, quando a empresa está com prejuízo e não em empresa que é superavitária. Vocês (administração pública) foram eleitos para servir o povo, não são donos de Artur Nogueira. Não quero levar para o lado pessoal, mas pelo amor de Deus, disfarcem um pouco”, acrescentou.

Para finalizar, o parlamentar parabenizou a população nogueirense que assinou o abaixo-assinado protocolado nesta segunda-feira junto à Câmara de Vereadores. “Parabéns à população de Artur Nogueira que se uniu, protocolou nessa Casa uma iniciativa popular representando a vontade do povo e essa Casa representa a democracia do povo, pelo povo e para o povo. 2014 era uma situação diferente, 2019 estamos vivendo outro momento”, completou Faveri.

Ao todo, 2.126 assinaturas foram coletadas em 707 laudas durante o período que antecedeu a entrega dos formulários à Câmara de Vereadores do município, correspondendo à 6% do número de eleitores. O próximo passo é haver uma votação a respeito da medida, determinado aprovação ou reprovação da concessão.

A sessão que tratará da votação na Câmara de Vereadores do município ainda não tem data para ocorrer. Todas as assinaturas deverão ser conferidas e analisadas pela Casa de Leias antes de seguir para a votação no Plenário.

…………………………………..

Tem uma sugestão de reportagem? Clique aqui e envie para o Portal Nogueirense.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.