15/10/2012

EDUCAÇÃO: A quem cabe a responsabilidade de educar?

Profissionais da educação opinam sobre a questão

Quézia Amorim

Na segunda-feira (15), foi comemorado o “Dia do Professor”, uma das profissões mais antigas que existem e que se refere ao que somos hoje, como sociedade em conjunto. Desde os tempos primórdios, dependemos da educação como base para viver em sociedade. Uma questão polêmica e sempre cheia de divergências é a atual situação da educação: A quem cabe a responsabilidade de educar? Aos pais ou aos professores?

O sociólogo Luiz Rossi, que também é professor, diz que educação deve vir de berço. “Os pais estão deixando para nós a responsabilidade deles. Se eles ficassem um pouco mais atentos, olhando pelo menos uma hora pelo filho, sentando com o filho para conversar, indo à escola, à balada com o filho, indo à casa dos amigos, isso mudaria. Eles dão um celular e dizem: qualquer coisa eu te ligo. Numa reunião de pais, por exemplo, dos pais de 43 alunos, comparecem 15. Tem alguns que não adianta ligar, porque não vai mesmo. Nunca têm tempo. Como você consegue mudar a sociedade dessa forma?”, indaga Rossi.

Rossi afirma que o governo possui muito em relação ao incentivo à educação, mas em relação às famílias nada é feito. “O governo faz tantos projetos voltados à educação, cultura, mas não faz nada em relação às famílias. Aqui no município temos entidades e assistências sociais maravilhosas e que funcionam, mas os pais vão atrás quando já é tarde demais. A única forma de mudar isso seria através de uma campanha maciça para a reconstrução da família”, sugere.

O professor do Ensino Médio e vereador reeleito, Amarildo Boer, diz que a responsabilidade é de ambas as partes, mas principalmente da família. “A criança tem que vir de casa com as regras básicas de educação. Isso é dever dos pais, a educação começa em casa. O dever da escola é passar conhecimento para os alunos através de leituras, de projetos, mas também, nunca esquecendo a cidadania. Necessário para uma boa educação seriam as regras impostas pelos pais”, esclarece Boer.

A pedagoga da Educação Infantil, pós-graduada em Inclusão Social, Vislene Sia, afirma que a educação deve ser feita em parceria. “A educação tem dois lados: o que a criança aprende em casa e o que a criança aprende na escola. Seria uma parceria entre a família e a escola, ambos deveriam ajudar o aluno a ter postura e ensinamentos bons e positivos, mas percebemos que isso não acontece, pois, as crianças vêm de uma estrutura familiar inadequada, e a escola acaba tendo que assumir tudo isso: o educar e o ensinar. Não sou a favor de que só a família é responsável, e também não sou a favor de que somente a escola seja responsável. As duas têm responsabilidades em cima disso, a família em casa, e a escola com bons exemplos também”, comenta.

Sobre o “Dia do Professor”

A comemoração do “Dia do Professor” começou em São Paulo, em uma pequena escola da Rua Augusta. O longo período letivo do segundo semestre ia de 1º de junho até 15 de dezembro, com apenas dez dias de férias em todo este período. Quatro professores tiveram a ideia de organizar um dia de parada para se evitar o cansaço e também analisar os rumos para os próximos meses de aulas do ano.

O professor Salomão Becker sugeriu que o encontro se desse no dia de 15 de outubro, data em que, na sua cidade natal, Piracicaba, professores e alunos traziam doces de casa para uma pequena confraternização. A sugestão foi aceita e a comemoração teve presença maciça – inclusive dos pais. O discurso do professor Becker, além de ratificar a ideia de se manter na data um encontro anual, ficou famoso pela frase “Professor é profissão. Educador é missão”.

A celebração, que se mostrou um sucesso, espalhou-se pela cidade e pelo país nos anos seguintes, até ser oficializada nacionalmente como feriado escolar pelo Decreto Federal 52.682, de 14 de outubro de 1963. O Decreto definia a essência e razão do feriado: “Para comemorar dignamente o Dia do Professor, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias”.


Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.