08/03/2019

Dia da Mulher reforça combate ao assédio em Artur Nogueira

Principalmente após o Carnaval, o tão corriqueiro assédio tem ganhado mais espaço nas rodas de conversas dos moradores

Da redação

Cantadas pejorativas, beijos roubados, passar a mão em quaisquer partes do corpo sem a autorização da mulher são condutas delituosas. Principalmente após o Carnaval, o tão corriqueiro assédio tem ganhado mais espaço nas rodas de conversas dos moradores de Artur Nogueira, sobretudo no Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março. O crime pode resultar em detenção de um a dois anos e a pena é aumentada em até um terço se a vítima for menor de 18 anos.

A psicóloga clínica Mayara Sia já atendeu diversas garotas que foram vítimas de assédio sexual. Segundo ela, os atos de violência sexual são fruto do processo cultural-histórico de constituição da ideia de gênero. “A nossa cultura sempre atribuiu à mulher um papel simbólico de resignação, maternidade, de que ela é responsável pelo ideal de família”, explica. “E essa concepção cultural também alimentou o pensamento de que a mulher, na sociedade, tem que se fazer obrigatoriamente atraente para o homem”, continua.

Mayara acrescenta que esse pensamento fomentou a ideia de que o corpo da mulher é algo violável, funcionando como um convite à violência sexual. “Essa concepção histórica interfere em nosso direito de ir e vir. É difícil uma menina hoje sair na rua às 11 horas da noite sem sentir medo”, comenta.

Ela também critica quem justifica a violência sexual com base na roupa que a vítima usava. “Olha, ir com roupa ou sem roupa, com fantasia ou sem fantasia, não dá ao homem o direito de violentar uma mulher”, destaca.

Segundo Mayara, a questão do assédio sexual não é de pequena importância, apesar de muitos classificarem as ações contra esse tipo de crime como “mimimi”. “Muitos não entendem que, por trás desses abusos e dessas atitudes machistas, vêm consequências muito grandes para a mulher. Isso gera transtornos pós-traumáticos, depressão, ansiedade, transtorno alimentar, distúrbios sexuais e de humor, problemas com autoimagem”, ressalta a psicóloga.

Para ela, contudo, a pior consequência desses atos é o sentimento de culpa e nojo que muitas meninas desenvolvem em relação a si mesmas. “A culpa não é dela, não é da roupa que ela usava, não é da fantasia que ela escolheu”, reforça.

A psicóloga salienta que existem muitas maneiras de chegar numa menina sem ofendê-la ou machucá-la. “Não precisa puxar a menina pelo braço, agarrar a cintura, jogar contra a parede. Chama para conversar, pergunta se ela quer dançar. Não use palavras ofensivas, com teor sexual. É desconfortável”, explica. “A partir do momento que a menina se sente desconfortável, isso é uma violência. E pode ser denunciada”.

Denuncie

Mayara enfatiza que a mulher que é vítima não deve se calar após sofrer qualquer tipo de assédio. “Já chega de as mulheres se calarem nessas situações. Se a menina souber o nome do rapaz, pode chamar um policial”, afirma. “Outra dica é andar acompanhada, sempre com mais de uma menina. E se presenciar uma moça sendo assediada, se aproximar dela, mesmo que não a conheça, para que ela não se sinta sozinha ou coagida”.

Há casos, porém, em que as autoridades não estão preparadas para lidar com as denúncias. Às vezes, o próprio policial reage de forma machista. Mayara presenciou um caso. Ela acompanhou uma vítima de assédio até a delegacia para registrar a ocorrência. Ao ouvir o relato, o plantonista respondeu: “Você já enxergou o tamanho do short que está usando?”.

Recomenda-se que as mulheres procurem, nesses casos, uma Delegacia da Mulher. Como Artur Nogueira não possui uma unidade especial para isso, deve-se procurar a Delegacia de Polícia Civil, onde será registrado um boletim de ocorrência, relatando com detalhes o acontecimento. A vítima pode levar testemunhas do crime ou alguma prova que ela tenha do ato, como fotos e vídeos. Ligue 3877-1400 ou 3827-1100.

Outra opção é o Ligue 180. O disque-denúncia 180 é um serviço especializado em atender casos de violência contra a mulher e funciona 24 horas por dia. As atendentes são sempre mulheres e dão orientações, esclarecem dúvidas e registram denúncias de agressões.

Os casos de crimes como homofobia e transfobia podem ser denunciados nas delegacias de polícia e pelo Disque 100, o Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos.

Casos de violência contra crianças e adolescentes podem ser denunciadas pelos seguintes meios: Conselho Tutelar da sua cidade; Ministério Público – Disque 127; e Delegacia de Polícia Civil.

Leia mais

Integrantes de bloco relatam assédio e agressões durante Carnartur

Prefeitura desmente omissão de socorro em casos de assédio e agressão no Carnartur

……………………………………..

Tem uma sugestão de reportagem? Clique aqui e envie para o Portal Nogueirense.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.