23/07/2020

Dente siso: como saber se é preciso tirar?

Contando com uma clínica preparada, o cirurgião Dr. Sebastião Reis Alves faz a cirurgia para deixar o seu sorriso maravilhoso

Informe publicitário

Como os dentes do siso são os últimos dentes permanentes a aparecer, geralmente não há espaço suficiente em sua boca para acomodá-los. Isto pode fazer com que os dentes do siso fiquem inclusos, dentes presos embaixo do tecido gengival por outros dentes ou osso, ou podendo causar inchaço ou dor. Embora a maioria só procure o dentista depois de sentir a dor provocada quando o siso rasga a gengiva, é indicado que o melhor período para retirá-lo é entre os 15 e os 18 anos ou antes de ele irromper. Nessa faixa etária, a raiz não está completamente formada, tem cerca de dois terços, e o osso é mais maleável. Além disso, a recuperação de um adolescente é mais rápida que a de um adulto. O ideal é fazer o monitoramento com radiografias a partir dos 15 anos, para avaliar o momento mais oportuno.

Se houver espaço suficiente para o dente se acomodar, é possível conviver com ele, mas assumindo o risco de encarar alguns dramas. Um panorama da encrenca que isso pode causar vem da Universidade de Cincinnati, nos Estados Unidos. Ali, um estudo avaliou sisos sem nenhum sinal de que algo estava errado e descobriu um grande número de casos de infecções silenciosas capazes de afetar a gengiva, a raiz e os ossos da face. Por isso, se a decisão for mantê-lo, é preciso fazer exames de imagem periódicos para detectar doenças antes de surgirem complicações.


A lista de fatores apontados por especialistas para sua retirada preventiva é considerável. Para começar, esse componente tardio da dentição gosta de nascer em posições inconvenientes e danificar os vizinhos, isso quando não se infiltra no osso. Ele vive também em constante movimentação angular. Quando está parcialmente erupcionado, fica exposto às bactérias que causam cáries e infecções. Existe ainda a probabilidade de aparecerem cistos e tumores em seu entorno.

Para os que tremem só de pensar na cadeira do dentista, a operação é relativamente fácil, principalmente se for feita no momento adequado. Utiliza-se a anestesia local, e um tranquilizante é bem-vindo. Ele ajuda o paciente a relaxar, mas não impede que fique acordado. Isso facilita o trabalho do profissional. Em casos críticos e raros, é possível lançar mão da anestesia geral e a intervenção é feita em hospital. Já o pós-operatório, vamos ser honestos e dar logo a má notícia. Ele é sim, bastante dolorido, provoca inchaço e dificulta a alimentação. Muitos acham mais seguro arrancar dois sisos por vez, de modo que um lado da boca garanta a mastigação. A questão é que a movimentação torna a recuperação mais traumática, motivo pelo qual há quem recomende resolver tudo numa tacada só.


Se a pessoa tirar dois ou quatro dentes, a dificuldade será a mesma, não é melhor então sofrer uma única vez? Serão três ou quatro dias de molho, com alimentação pastosa, e pronto, cabe ao paciente tomar a decisão que o deixe mais seguro e, seja ela qual for, o importante é não descuidar da higiene da boca nesse período. Deve-se optar por uma escova ultra macia e fazer movimentos suaves, usando também os antissépticos receitados pelo dentista.

Alguns poucos sortudos nem tomam conhecimento dessa novela toda, porque simplesmente não têm os terceiros molares. Pela evolução natural humana, essa ausência está se tornando mais comum nas últimas décadas, sem que isso represente prejuízos funcionais ou estéticos. O problema é quando apenas um deles não aparece, nesse caso, o siso que surge ficará sem par na mordida. Assim, mesmo com espaço, é preciso removê- lo, já que não terá antagonista.

A regra de ouro, portanto, é acompanhar o crescimento dos dentes. Depois, o de sempre: escovação correta, fio dental mesmo naqueles mais escondidinhos e, claro, nada de fugir da visita ao Dentista . O ideal é aparecer a cada seis meses. Se não for possível, pelo menos uma vez ao ano. Tenha juízo e o seu sorriso agradece.

O cirurgião dentista Dr. Sebastião Reis Alves (CRO/MG 161.18), realiza diversos procedimentos em seu consultório. Dentre eles:

  • Implantes
  • Próteses
  • Cirurgia de siso
  • Odontologia estética
  • Clinica em geral

Não deixe nunca de sorrir! O consultório está localizado na rua: Rui Barbosa, número 1108 – Vila Queiroz – Artur Nogueira/SP. O telefone para contato é o (19) 3827-1116 ou (19) 9 8411-6634 (WhatsApp).


Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.