21/12/2010

Coisas boas acontecem

Hoje assistindo esse vídeo (final da postagem) comecei a refletir em como pequenos feitos podem mudar a vida das pessoas.

Temos o poder de mudar as vidas das pessoas em nossas mãos, mas continuamos vivendo nossa vida egoísta utilizando esse poder em nós mesmos.
Quantas vezes você já foi abordado na rua por uma pessoa necessitada e ao invés de ajudar, apenas questionou a integridade do pobre miserável: “Será que ele vai usar essas moedas para comprar drogas?”. E no final, você acaba que passando reto e deixando de ajudar o pobre ser.
Provavelmente o que ajudaria aquela pessoa não seria poucas moedas, mas a sensação de que as pessoas ainda se importam. A sensação de que ele ainda pode contar com alguém e que ainda existe esperança.

Como faz a diferença para um desabrigado receber um sorriso em um dia tão amargo e sofrido.
Vejo as pessoas pela manhã cumprimentando uns aos outros, falando bom dia a todos por onde passam, carteiros, motoristas de ônibus, colegas de trabalho.
Mas o que eles tem de diferente daquela mulher suja na praça com uma criança no colo estendendo a mão?
Desde quando ser pobre e desabrigado virou doença contagiosa?
E se fosse você, preferiria o calor de um abraço, um simples sorriso ou um olhar de rejeição e julgamento?
O que aconteceu com o brasileiro solidário e que não desiste nunca. Teria esse brasileiro se esquecido e desistido do seu próprio povo? E a luta pela igualdade e contra o preconceito, não se aplica a nós mesmos? Ok… vamos simplificar. Conhece esse ditadinho famoso: “Faça o bem sem olhar a quem”?

Carinho não custa nada, e por si só, pode mudar o mundo ao seu redor. “Passe a diante”. Viva o que você tanto prega. Tente ajudar as pessoas.
Coisas boas acontecem quando transmitimos o que temos a quem precisa. Nesse caso, carinho, amor e esperança.

Texto de Guilherme Vinicius
Clique aqui e conheça outras reflexões do autor


Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.