06/07/2018

Caímos

Seleção perde para a Bélgica por 2x1 e está fora da Copa do Mundo

Michael Harteman

Caímos. É assim que funciona uma Copa do Mundo. Pra vencer, é preciso que muitas coisas deem certo. Só vai dar para uma seleção. Só uma vai cuidar dos mínimos detalhes, as outras 31, vão apenas aplaudir o campeão. A Seleção Brasileira fez o que deu para fazer. Há quatro anos atrás era comum encontrar pessoas dizendo que tudo estava acabado, que apenas faríamos figuração nas próximas edições da Copa do Mundo. O cenário pavoroso se confirmava com o caos da equipe de Dunga. Estávamos fadados à figuração.

O cenário de terra arrasada exigia uma mudança drástica da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Não aconteceu, trataram o 7×1 apenas como um acidente. Tite chegou com dois anos de atraso. Ao invés de quatro anos, teve dois para trabalhar. Parece muito. Não é. Nesse período fez o que deu. Arrumou uma cara para a seleção e fez com que acreditássemos que poderíamos ganhar a Copa da Rússia. No entanto, do outro lado também existe um trabalho, uma organização e um modelo bem definido de jogo. Sem contar que i time belga é recheado de grandes jogadores.

No texto anterior eu já havia afirmado que a Bélgica seria o maior desafio da seleção até aqui. Algo fácil de perceber para aqueles que acompanham o futebol, difícil para os torcedores de Copa do Mundo. Nas outras partidas, o Brasil sabia que precisava criar jogadas ofensivas e que não teria muitas dificuldades na parte defensiva. Contra a Bélgica o time parece não ter se atentado para a sua retaguarda. Sim, o time criou. Talvez foi o jogo que o Brasil tenha criado mais chances de gol. Lembra dos ‘detalhes’ início do texto? Então. A seleção não se atentou para a entrada de Kompany em um escanteio. A bola resvalada pelo zagueiro gerou o gol contra de Fernandinho. Detalhe ignorado, 1 a 0 no placar.

A seleção continuava atacando e criando algumas chances. Gabriel Jesus se esforçava, mas continuava perdido. Willian tentava, mas as jogadas não aconteciam. Perdendo, a seleção só pensava em uma coisa: empatar a partida. Pensou tanto se esqueceu da defesa. Num contra-ataque Lukaku fez o que quis, passou por Fernandinho com extrema faclidade, ninguém parou a jogada. De Bruyne recebeu com total liberdade para bater cruzado e aumentar o placar. Fim do primeiro tempo, 2 a 0.

Tite mexeu. Firmino entrou no lugar de Willian. Ao meu modo de ver, quem deveria sair no intervalo era Gabriel Jesus. A movimentação no setor ofensivo melhorou e algumas jogadas eram criadas. Mas o gol não saia. Com 13 minutos da etapa final, mais uma substituição. Agora sim, saia Gabriel Jesus para entrar Douglas Costa. O reserva entrou e chamou o jogo pelo lado direito. Neymar tentava pela esquerda e, pelo lado de campo, saiam as principais jogadas da seleção. Aos 28 minutos o comandante decidiu tirar Paulinho, improdutivo, para colocar Renato Augusto, buscando mais infiltração na área do adversário. Deu certo, Renato se infiltrou e recebeu um belo passe de Coutinho, meteu a cuca na bola e diminuiu o placar.

A partir daí foi pressão total. Renato Augusto ainda perderia uma chance clara de gol. Além dessa, Coutinho também teve a chance de empatar, mandou por cima. A Bélgica foi inteligente e gastava o tempo sempre que podia. Fim de jogo e sonho do hexa adiado por mais quatro anos.

A derrota foi de jogo. O placar poderia ter sido diferente se o Brasil sai na frente, se o gol contra não sai, se a bola de Renato Augusto entrasse na segunda tentativa, se Courtois não tivesse fechado o gol. Mas o ‘se’ não entra em campo. Assim é o futebol, assim é o esporte. O que se espera agora é a continuidade do trabalho que vem sendo realizado até aqui. Caso Tite não queira sair, é preciso que a CBF monte um bom planejamento. A geração é boa e há bastante tempo para chegarmos mais fortes em 2022.

Fim da linha para a seleção brasileira, fim da linha também para meus textos pós jogo. Pra você que acompanha apenas a seleção em época de copa, forte abraço, até o Qatar. Pra você que curte futebol, ainda tem história por vir nessa edição da Copa do Mundo. Abraço!

 


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.