24/04/2018

Associação prepara mais de 200 jovens aprendizes em Artur Nogueira

No Dia Internacional do Jovem Trabalhador, entenda a importância da AJA para adolescentes e jovens

Da redação

Criado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), o Dia Internacional do Jovem Trabalhador é comemorado em 24 de abril. A data foi instituída pelo órgão vinculado à Organização das Nações Unidas (ONU) para ressaltar a importância dos jovens no mercado de trabalho, além de incentivar a contratação de pessoas nessa faixa etária e a descoberta de novos talentos.

Em Artur Nogueira, há uma entidade que se dedica exclusivamente a preparar pessoas com menos de 24 anos para ingressarem no cada vez mais disputado mercado de trabalho: a Associação Jovem Aprendiz (AJA). Criada há 14 anos, a entidade possui atualmente 209 alunos matriculados, que recebem cursos de capacitação e oportunidades de trabalho em empresas da região.

A associação trabalha com jovens que tenham idades entre 14 e 23 anos. Eles recebem cursos de Informática Básica (para jovens de 14 anos) e Administração e Informática (de 15 anos em diante). Um curso de Excel Avançado também é oferecido para alunos que já possuem conhecimentos prévios. Há também um curso de Varejo, voltado para o comércio do município.

A entidade também trabalha com capacitação dos jovens para mercado de trabalho, realiza acompanhamento familiar e escolar, e, quando a empresa solicita um aprendiz, é feito um encaminhamento baseado no perfil requisitado pela empresa. Hoje, há 33 jovens empregados em oito empresas do município que são parceiras da AJA.

“Temos parceria com Toyota, Martin, Kurita, Sisa, Cisol do Brasil, Embrasatec, Plásticos Santana, Guidolin Central; empresas que aderem aprendizes”, conta Karina Ytoga, coordenadora da AJA.

Em 2017, no entanto, a entidade esteve prestes a fechar as portas. As dificuldades financeiras tiveram início em dezembro de 2016. Naquele mês, um convênio de dois anos da AJA com o Programa Jovem Aprendiz, da Petrobrás, foi encerrado. Devido a diversos fatores, a estatal não incluiu Artur Nogueira no rol de cidades beneficiadas pela iniciativa. Como consequência, a AJA perdeu metade de seu financiamento. A outra metade, segundo a coordenação da entidade, vem por meio de uma subvenção da Prefeitura de Artur Nogueira.

A situação melhorou um pouco depois que o Poder Executivo aumentou em três salários mínimos a subvenção repassada às entidades do município. No caso da AJA, a prefeitura também ajuda com o aluguel do prédio da instituição e com produtos de higiene e limpeza, além de fornecer alimentação para duas refeições diárias no local.

“Hoje, a AJA vive com apoio da prefeitura e taxa administrativa das empresas parceiras, assim como com o trabalho em eventos e festividades do município, que o secretário de Cultura nos ajuda bastante nos permitindo trabalhar”, afirma Karina. Segundo ela, a entidade também promove venda de pizzas para juntar recursos.

Aprendizes

Karen Felix tem 17 anos e é uma jovem aprendiz beneficiada pela AJA. Ela conheceu a instituição por meio da família. “Eles [familiares] me disseram que a AJA era um lugar que ensinava o jovem a encarar o mundo”, conta Karen, que concluiu o ensino médio no passado em Artur Nogueira. “É um lugar em que adoro estar e que indico para todo mundo”.

Hoje, a jovem trabalha como aprendiz na Plásticos Santana. Ela está há um ano e quatro meses na AJA e há sete meses na empresa, cumprindo uma jornada de seis horas de trabalho por dia.

Jair Fontana tem 19 anos e cursa o terceiro semestre de direito no Centro universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho. Ele conheceu a AJA por meio da mãe, que trabalhou numa empresa que contratava aprendizes. “Eu comecei a fazer os cursos devido a ela, e achei muito interessante, pois nós desenvolvemos nossas capacidades profissionais”, explica.

Hoje, ele divide a rotina de estudos com a de jovem aprendiz na Martin Sprocket & Gear Brasil, em Artur Nogueira.

Outro caso de sucesso da AJA é o de Lara Miranda, que tem 18 anos. Ela esteve vinculada à Associação Jovem Aprendiz de Artur Nogueira por dois anos, onde conseguiu uma vaga de trabalho na unidade nogueirense da Toyota. Nesse período, ela se capacitou por meio da entidade em Informática e Rotinas Administrativas.

Em fevereiro deste ano, a jovem foi efetivada na empresa, e não é mais apenas uma aprendiz.

“A AJA não ajudou somente a mim, mas milhares de jovens. Eu acho que se não fosse a AJA, não tínhamos um aprendizado desse nível gratuito e muito menos uma oportunidade tão grande”, afirma a recém contratada. “A AJA é uma das instituições que mais dá oportunidade de emprego aos jovens (coisa que está difícil hoje em dia), mas é uma instituição que não tem muito recursos e não é tão vista. Muitas pessoas não sabem que a AJA existe”, complementa.

“Para mim, foi e é uma instituição maravilhosa, que ensina a gente se comportar em um ambiente de trabalho, e ensina também a respeitar uns aos outros”, destaca.

História

De acordo com a instituição, a contratação de menores de idade era irregular no país até o ano 2000. Nesse ano, porém, uma lei federal estipulou as normas a serem seguidas pelos empregadores que desejassem contratar pessoas com idades entre 14 e 18 anos. Apesar disso, a contratação de menores sem o cumprimento da legislação continuou (e ainda continua) a ocorrer em muitos lugares.

De acordo coma a AJA, havia duas instituições em Artur Nogueira no começo da década passada que inseriam jovens no mercado de trabalho, mas não funcionavam de maneira regular. Por isso, a Subdelegacia do Trabalho de Campinas notificou as entidades e determinou que elas fossem extintas ou se adequassem à legislação.

Diante disso, segundo a Carta de Apresentação da AJA, um grupo de amigos se reuniu e decidiu fazer algo para beneficiar os adolescentes da cidade. Como consequência, nascia em 10 de abril de 2004 o Serviço de Orientação dos Adolescentes de Artur Nogueira (Soaan), que contava com apoio do Movimento Degrau, da prefeitura e da Associação Comercial e empresarial (Acean).

Em março de 2005, com o intuito de se adequar a outras exigências legais, a instituição mudou o nome para Associação Jovem Aprendiz. Também nesse período foram constituídos o estatuto e a diretoria da entidade. “Desde então, a AJA tem investido significativamente nessa área, trabalhando em benefício dos adolescentes e jovens do município de Artur Nogueira, visando amenizar a grande exploração e despreparo dos jovens”, afirma a entidade.

A AJA tem como missão promover, defender e garantir os direitos de adolescentes e jovens, especialmente para os que se encontram em situações de vulnerabilidade ou risco. “Contribuindo para o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários, a integração ao mundo do trabalho e o desenvolvimento humano e social através de cursos de capacitação voltados para o mercado de trabalho”, afirma a entidade.

Atualmente, a diretoria da entidade é composta por voluntários: Osmair D.Gallo, Zulmira F. Domingues, Marcos Daniel Capelini, Valteir A.Paliato, Walter A. dos Santos, Edna M. dos Santos, Maiza F. Pereira, Fabiana Balbino, Maria L. S.Oliveira, José Roberto Barbosa, Nadir A.Pereira, Boenice C. Rodrigues, Iolanda R. Azevedo e Marcos A. Inocencio. Ela é presidida por José Ivo Miranda há quase 10 anos.

……………………………………..

Tem uma sugestão de reportagem? Clique aqui e envie para o Portal Nogueirense.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.