27/03/2016

Arqueólogo fala sobre evidências da morte e ressurreição de Jesus Cristo

Doutor em teologia e em arqueologia, Rodrigo Silva explica origem da Páscoa e desmistifica algumas crenças sobre Jesus.

8637349985_44fd02ef02_o

O Doutor Rodrigo Pereira da Silva é, além do que sua titulação sugere, pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia, graduado em Teologia pelo Instituto Adventista de Ensino do Nordeste, graduado em Filosofia pelo Centro Universitário Assunção, mestre em Teologia Histórica pelo Centro de Estudos Superiores da Companhia de Jesus – atual Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia – FAJE, especialista em arqueologia pela Universidade Hebraica de Jerusalém, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Faculdade de Teologia N. S. Assunção – atualmente vinculada à PUC-SP, Pós Doutor com concentração em arqueologia bíblica pela Andrews University, nos Estados Unidos, Doutor em arqueologia clássica pela Universidade de São Paulo, professor de Teologia e Arqueologia do Centro Universitário Adventista de São Paulo – Campus Engenheiro Coelho e curador do Museu Paulo Bork, de Arqueologia do Oriente Médio.

Qual o verdadeiro significado da Páscoa? A Páscoa, na verdade, originou-se com a história dos hebreus. Quando no 15ª século a.C., eles saíram do Egito e foram libertados da escravidão. A partir dali foi instituída a Páscoa, que é uma palavra hebraica chamada Pessah, que significa passar por cima. Essa palavra Pessah, passar por cima, relembra o último dia que os hebreus estiveram no Egito e o anjo da morte poupou os filhos dos hebreus, trazendo também a eles a libertação da escravidão egípcia. Deste modo, a páscoa foi celebrada por séculos pelos hebreus, depois judeus, e quando veio Cristo, Ele deu um novo significado para a Páscoa, que é uma referência a sua própria morte e ressureição sendo a redenção as humanidade. Reste então é o verdadeiro significado da Páscoa: a libertação do povo hebreu do Egito, e de todos aqueles que são libertos também da escravidão do pecado através da morte de Cristo na cruz do calvário.

E esse significado da Páscoa para os cristãos mudou conforme o tempo? Sim, houve mudanças.  Depois que Cristo instituiu a Páscoa como uma comemoração a sua morte e ressureição, na idade média, alguns parâmetros pagãos especialmente ligados à terra, agricultura, à deusa da fertilidade, acabaram sendo acoplados à Páscoa e esse sincretismo entre paganismo, judaísmo e cristianismo acabou gerando as figuras clássicas do coelho, do ovo, que significa renascimento e fertilidade, e o próprio chocolate, em uma maneira de vender mais. Outra coisa que mudou foi a data. Porque a Páscoa era no dia 14 de abril, um dia fixo no ano, e hoje ela passou as ser comemorada no segundo domingo de mês.

Era 14 de abril antes?  É, mais ou menos março, abril. Porque o calendário judaico é um pouquinho diferente do nosso. O mês que eles chama de Abril, pega o nosso mês de março e abril.

Então há uma diferença de calendário… Exatamente. O calendário judaico era uma data fixa e no calendário ocidental moderno ela [Páscoa] sempre cai no domingo.

Os cristãos acreditam que Jesus morreu na sexta e ressuscitou no domingo. Existem evidências disso? A evidencia que nós temos é que no ano 31 tivemos uma situação de Páscoa caindo numa sexta-feira, exatamente como a Bíblia fala que aconteceu. Fora isso não temos confirmação do dia, mas sim que ele morreu na cruz do calvário, por ordem de Pilatos e que ele foi crucificado. Ainda existe uma referência que na véspera da Páscoa penduraram uma placa com uma conjuntela escrito Jesus de Nazaré. Que pode ser de Jesus.

2

Mas quais as evidências para além da Bíblia existem sobre a morte dele? Nós temos uma placa que fala que Jesus foi crucificado e que muitos que o amavam não cessavam de dizer que passado a crucificação ele apareceu vivo a eles. Além disso nós temos também dois personagens que mencionam um certo Cristo do qual os cristãos eram seguidores e que foi morto em Roma. Nós temos também o governador da Bitínia que faz referência ao Cristo crucificado e de como os cristãos o cultuavam como Deus. Foi encontrado também em Roma o grafite de uma escola do segundo século, uma escola romana, e nesse grafite aparece a figura de um cavalo numa cruz e um jovem, em frente a ele e uma frase em grego que dizia: Alexandre adora a Deus. Uma chacota a um certo Alexandre que adorava a Deus. Então essas são as evidencias que temos que ele morreu e que havia a ideia da sua ressureição.

Antes de morrer Cristo comemorou a Páscoa com os discípulos. Qual a diferença da Páscoa que ele comemorou para a nossa?  Normalmente a Páscoa dos judeus você deveria comer o cordeiro pascal e comia a carne dele com ervas amargas. Então essa era a celebração da Páscoa, além e celebrar a libertação do povo. A Bíblia não menciona Cristo comendo o cordeiro pascal. É uma dedução.  Mas o que há é a presença do pão e do vinho não fermentado, o vinho não alcoólico. Onde ele institui a memória daquilo que ele faria pelos discípulos.

Para ser crucificado, qual crime a pessoa deveria cometer?  Primeiramente quem eram crucificados eram os escravos, às vezes punidos por terem fugido; ladrões perigosíssimos; assassinos; ou pessoas que se levantavam contra o império romano.

E qual o crime de Jesus? Esse é o problema. O crime alegado pelos líderes dos judeus é que ele estava se fazendo de rei no lugar de César. Então ele deveria ser morto como um perturbador da paz.

Os filmes mostram uma forma de crucificação de Jesus. É exatamente assim que ele morreu ou essa ideia é deturpada? Encontraram em Israel, em 67, uma caixa de pedra contendo ossos de alguém que foi crucificado na época de Cristo. Como sabiam que era uma ossada de um crucificado? Porque havia um prego no calcanhar da vítima. Foi o único exemplar de um crucificado encontrado até hoje. A partir desse achado, os legistas fazem um levantamento da posição das mortes dos crucificados. Muitos deles ficavam com os dois pés pregados para baixo e com o corpo todo pressionando o ciático. Outros tinham apropria genitália era pregada no madeiro. Alguns eram crucificados com outras três pessoas em uma mesma árvore. Já Jesus foi crucificado com os pregos nos calcanhares. Porque quando souberam que Jesus estava morto quebraram as pernas dele. Então por isso deduzimos que Jesus estava numa posição mais ou menos sentada, na cruz pregado, porém de cócoras, com uma das nádegas sustentada no banco, e pra respirar ele tinha que erguer todo o corpo e as pernas, e isso provocava uma grande dor. Então Jesus quase morreu sufocado.

Mas o que causou a morte dele? Na verdade o próprio Pilatos admitiu que ele morreu cedo. Uma pessoa crucificada ficava até três, quatro, cinco dias pendurada antes de morrer. Nós deduzimos que o que provocou a morte de Jesus não foi bem a cruz, mas a grande pressão, a grande angustia que ele estava sentindo ali. Então seu coração explodiu Por isso que quando o furaram saiu dele sangue e água. Angustia pelos pecados da humanidade.

Nesse contexto, há relatos de mulheres que passaram pela crucificação ou essa era uma punição apenas para homens? Havia para mulheres também. Nós temos algumas descrições de mulheres que eram crucificadas.

Pelos mesmos crimes? Sim. Pelos mesmos crimes.

1

Existe algum mito que as pessoas atribuem à vida de Jesus, mas que não é comprovado? Há, tem muitas. Por exemplo, alguns afirmam que Jesus não trocava de roupa e que a roupa ia crescendo no corpo dele. Outra questão é a de que Jesus instituiu a eucaristia nos modelos como é hoje, mas isso também é mito. Também é dito que Jesus foi contra o judaísmo na sua época, contra os dez mandamentos… e nada disso aconteceu. Não há sustentação arqueológica.

E de onde surgem esses mitos? Lendas, sintetismo, vontade política e assim por diante.

Voltando a falar da Páscoa. A data possui maior importância em relação a outras datas cristãs? A data que nós comemoramos é a ressureição de Cristo. Então ela tem um peso maior.

Que o Natal? Sim. Por causa da ressurreição, pois ali ele aparece como filho de Deus mesmo.

Todos os cristãos comemoram a páscoa? Todos ou a maioria deles. Alguns grupos minoritários como as Testemunhas de Jeová se recusam a celebrar a Páscoa. Eles acham que tem um fundo pagão e não reconhecem o judaísmo. Outros dizem que não é a data correta então preferem não comemorar. Outros ainda aproveitam a época do consumismo e comemoram a Pascoa longe do foco real.

E qual a mensagem que nós deveríamos tirar a Páscoa? A gente tem que entender que a Páscoa é uma pessoa para ser libertada do espírito e eu tenho que aceitar a libertação que Cristo veio trazer pra mim. Só que pra aceitar a primeira condição é admitir que estou preso. Descer do tamanco da ânsia, da inveja e admitir que eu preciso de ajuda e que eu preciso ser liberto. Assim essa liberdade chega a meu coração.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.