27/03/2018

Teatro de Artur Nogueira continua sem prazo para reforma

No Dia Mundial do Teatro, dois principais palcos da cidade estão fechados

Da redação

O Dia Mundial do Teatro é comemorado nesta terça-feira, 27 de março. Artur Nogueira, porém, não tem muito o que celebrar: os dois principais palcos da cidade estão fechados. Enquanto o Teatro Municipal Renê Marcos Posi não abre as portas há seis anos, o Teatro “O Fingidor”, da Escola Monteiro Lobato (Escola Modelo) está desativado desde o fim do ano passado para obras de manutenção.

teatromunicipalbrincantti (10)-1490571593

Interditado desde janeiro de 2012, o Renezinho – como também é conhecido o Teatro Municipal – continua sem uma data para o início da prometida reforma. O local foi fechado há mais de seis anos por conta do desgaste da estrutura física, que ficou cerca de 15 anos sem receber qualquer manutenção, tornando o espaço muito precário para abrigar pessoas e espetáculos.

Apesar da Câmara Municipal já ter aprovado o convênio para a reforma do prédio, ainda não há uma data para o início das obras. O Portal Nogueirense perguntou à Prefeitura de Artur Nogueira qual a previsão para o início da reforma do teatro. O Poder Executivo, no entanto, se limitou a dizer que “processo de reforma do Teatro Renê Marcos Posi está em licitação”.

Segundo a prefeitura, o dinheiro para a obra é fruto de uma emenda parlamentar do deputado estadual Chico Sardelli (PV). A verba de R$ 220 mil, prometida pelo parlamentar em 2014, foi assinada por ele em junho do ano passado e liberada pela Câmara Municipal em fevereiro. O montante, contudo, é apenas a primeira parcela dos R$ 500 mil que Sardelli (PV) prometera há quatro anos.

Enquanto isso, o Teatro “O Fingidor” também está inoperante. Segundo a prefeitura, o espaço passa por uma reforma e não há previsão para o término das obras. Além disso, um decreto assinado pelo prefeito Ivan Vicensotti (PSDB) estabelece uma série de regras para a utilização do espaço, que devem entrar em vigor assim que ele for reativado.

Manifestação

No domingo (25), o Movimento Cultural Brincantti, juntamente com outros dois grupos teatrais da cidade, realizou um ato em prol da reforma do Teatro Municipal. Cerca de 15 pessoas participaram da manifestação em frente à antiga Biblioteca Municipal, que fica bem ao lado do Renezinho. Foi o sexto ano consecutivo que o protesto aconteceu.

Elaine Queiroz, membro do Brincantti e uma das principais vozes da cidade pela reforma do teatro, afirma que essa é uma das suas últimas bandeiras em Artur Nogueira. “Porque a gente começa a ver que o legado vai sendo deixado. Outras gerações têm que construir essa história, assim como a gente construiu”, comenta.

A reinauguração do espaço é um de seus maiores desejos, como artista e como cidadã nogueirense. “Não precisa ser como ele era, mas que ele seja a vida para artistas, que aquele espaço seja usado”, explica. “Porque, sim, existe o teatro. O teatro está vivo de alguma forma na cidade. Mas não temos um espaço público para isso”, lamenta.

Elaine conta alguns de seus maiores questionamentos nos últimos tempos sobre o assunto. “Isso é importante? O que Artur Nogueira perdeu com o fechamento do teatro? Será que é uma coisa que só me afeta ou será que é uma coisa que é do município mesmo? Será que o fechamento do Renezinho é uma preocupação só de nós, artistas do teatro?”.

A artista afirma que pretende realizar uma ação política, coletando assinaturas e levando a demanda para a Câmara Municipal. “É importante frisar que eu não faço isso de agora. Não é uma perseguição política, é um ato político. São coisas diferentes”, esclarece.

Ela acrescenta que não gostaria de deixar o teatro para as futuras gerações do jeito que está. “Não queria que os futuros artistas tivessem essa herança da gente. Então alguma coisa tem que ser feita”, finaliza.

……………………………………..

Tem uma sugestão de reportagem? Clique aqui e envie para o Portal Nogueirense.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.