14/12/2016

Orçamento de Artur Nogueira prevê maiores reajustes em Urbanismo, Lazer e Transporte

Setor de Urbanismo deve receber o maior reajuste

Leonardo Saimon

A previsão orçamentária de Artur Nogueira para 2017 é superior ao que foi previsto para este ano. O Projeto de Lei que estima a receita e fixa as despesas da cidade para o ano seguinte aponta que o município deve arrecadas R$ 167,6 milhões. O valor é 11% superior ao estimado para 2016. As áreas de Urbanismo (+47%), Lazer (+23%) e Transporte (+22%) devem receber o maior reajuste.

As verbas destinadas à Reserva de Contingente também serão maiores em até 45%, mas corresponde a 1% do total previsto da arrecadação – o que significa que aumenta proporcionalmente ao orçamento, ao contrário das demais.

Artur nogueira 2 a_34f83668d8df09057abe73ba675db3f8731ad785

Artur Nogueira estima orçamento 11% maior para 2017

Grande parte deste valor, no entanto, são de receitas provenientes de transferências vindas do Governo Estadual e Federal. Isso significa que a implantação de projetos e aplicação nos setores depende, em grande medida, de verbas que venham de fora do município. Em agosto deste ano, o Congresso Nacional aprovou em primeira votação o orçamento que prevê déficit de repasses em R$ 1,1 bilhão para estados e municípios, o que pode refletir na cidade.

Em relação a previsão de 2016, o setor de Energia (-7,5%) e o de Saneamento (-25%) serão os departamentos que sofrerão maior corte de investimentos diretos da Prefeitura. Em contrapartida, a Saean estima aumentar a aplicação no setor em quase R$ 6 milhões. Dentre os departamentos que o Executivo deve ampliar o valor em aplicação de recursos está a Secretaria de Urbanismo que espera receber cerca de R$ 20 milhões, Esporte e Lazer com R$ 915 milhões e Transporte com pouco mais de R$ 240 milhões.

Apesar destas pastas terem o maior aumento em porcentagem, elas não são as áreas prioritárias. A Educação, Saúde, Administração Pública e Urbanismo são os departamentos que devem gerar os maiores gastos para o município. Um dos motivos é a existência de legislações que estipulam custo mínimo de investimento para esses setores.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS



Comentários

Não nos responsabilizamos pelos comentários feitos por nossos visitantes, sendo certo que as opiniões aqui prestadas não representam a opinião do Grupo Bússulo Comunicação Ltda.